Ecologia, Conservação e Manejo do Cervo-do-Pantanal são temas de debate

30/05/2008


Peter Mix


Ecologia, Conservação e Manejo do Cervo-do-Pantanal são temas de debate

Cervo-do-pantanal, o maior cervídeo da América do Sul, ameaçado pela destruição dos habitats


Tamanho da fonte: Diminuir Fonte  Aumentar Fonte

Apoena participa do seminário e defende proposta dos pesquisadores para instituição e ampliação de ucs que incluam as populações que estão fora da conservação
 

O isolamento de populações reduzidas e isoladas é uma das maiores ameaças à sobrevivência do cervo-do-pantanal na bacia do Alto Paraná, na região das divisas dos estados de São Paulo, Paraná e Mato Grosso do Sul. Essa é uma das conclusões do Seminário sobre Ecologia, Conservação e Manejo In Situ e Ex Situ do Cervo-do-Pantanal, promovido, hoje e ontem, pela CESP - Companhia Energética de São Paulo, no município paulista de Araçatuba.  

O cervo-do-pantanal (Blastocerus dichotomus) está na lista brasileira de animais ameaçados de extinção e não é só o isolamento da espécie a única ameaça que paira sobre o maior cervídeo da América do Sul. Os mais de 60 pesquisadores e gestores ambientais reunidos no encontro apontam também a degradação de habitats por construção de canais de drenagem artificiais, a pressão de caça e as enfermidades oriundas principalmente do contato com animais domésticos como bovinos e eqüinos como cruciais para a sobrevivência do cervo na ecorregião.  
De acordo com os especialistas, a chave para a conservação do cervo na bacia do Alto Paraná depende da conservação de ambientes favoráveis à espécie e das populações que ali ocorrem. “A estratégia de estabelecer unidades de conservação é a única que pode ser eficaz a longo prazo na conservação da espécie”, sentencia Walfrido Thomas, pesquisador da Embrapa Pantanal.
Segundo ele, “mesmo com todo o conhecimento e ganho gerados no cativeiro, a importância de se manter esses centros, necessita como objetivo final devolver os animais ao seu ambiente natural.” Thomas propõe ampliar a conectividade entre os fragmentos por meio da ampliação e instituição de unidades de conservação que incorporem os mais de mil indivíduos de cervo-do-pantanal do Alto Paraná que estão fora da proteção.   
A Apoena, que tem histórico de luta na defesa da especie, defende a instituição e ampliação de ucs que incluam as populações que estão fora da conservação
 
Cesp mantém Centro de Conservação em promissão 
 
O Centro de Conservação do Cervo-do-Pantanal – CCCP, com 764 hectares, é mantido pela Cesp na margem esquerda do rio Tietê, junto ao Bolsão do Ribeirão dos Patos, em Promissão (SP), e é aberto para visitação pública monitorada desde agosto de 1998. O centro foi criado com base no Plano de Manejo e Conservação do Cervo-do-Pantanal, por ocasião do enchimento do reservatório da usina hidrelétrica Três Irmãos, implantada pela Cesp, no rio Tietê, entre os município de Araçatuba e Promissão. Nessa região, encontrava-se uma das últimas populações de cervos do estado de São Paulo. Os animais resgatados na época do enchimento do reservatório foram enviados para os Centros de Conservação da Cesp e para outros locais na natureza, de acordo com o plano de manejo.
O Centro de Promissão conta com cerca de 40 indivíduos nascidos em cativeiro e descendentes dos animais resgatados da Usina Três Irmãos. Trata-se do maior plantel mundial dessa espécie. Além do cervo-do-pantanal, o local também é refúgio de diversas espécies migratórias e da região. Há ocorrências de exemplares de fauna regional, destacando-se as aves tachã e cardeal-do-banhado, o jacaré-do-papo-amarelo,  o lobo-guará e o tamanduá-bandeira.
 




« voltar para a página de notícias
A Apoena | Projetos | Artigos | Notícias | Biomas | Atividades | Especiais | Blog | Vídeos | Contato

Copyright © Apoena - Todos os direitos reservados - desenvolvido por:Luz Própria